Data

Animação


"Não tolere o que a Bíblia reprova" (Gilvan, 15.05.2005)

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Estudo II – A Tempestade Provocada (Jonas 1:7-12)


  • Tempestades são fenômenos naturais (causadas por temporal com um estado climático de curta ou longa duração marcado por ventos fortes como nos tornados e ciclones tropicais, trovoadas, e precipitação forte)
  •  No Mar Mediterrâneo, as tempestades ocorriam com muita freqüência;
  •  A fuga de Jonas põe em perigo o navio e toda a tripulação que estava nele
  • Jonas não tinha como escapar de Deus. Até mesmo na Teoria dos Jogos, no Jogo de azar (pedrinhas ou pedaços de madeira marcados colocados num vasilhame), Deus controla a escolha, de modo que a sorte recaiu sobre Jonas que foi identificado como o culpado.
  •  Azarado é quem está em desobediência a Deus.
  • Essa tempestade foi intencional e fazia parte do Plano de Deus para resgatar o “profeta fujão” de sua atitude de desobediência; 
  • Quantas tempestades por atitudes de desobediência poderiam ser evitadas em nossas vidas;
  • Quando contrariáramos a vontade de Deus ocorre medo, problemas, depressão, desespero, inconsciência, fuga e sofrimento;
  • A tempestade revela quem somos, assim como revelou quem era Jonas (v.8 – povo e ocupação); 
  • Nesses momentos, quase sempre, não há coerência entre o que fazemos e o que dizemos (v.9);
  • Se Jonas realmente temesse a Deus não teria tentado fugir dEle, era um conhecimento teórico. Ele se contradiz: afirmando crer no poder de Deus e ao mesmo tempo fugindo dEle:
*      Como confessar servir a um Deus tão poderoso e o desafiá-Lo com sua desobediência? 
  • As razões que Jonas podia eventualmente alegar para sua desobediência eram razões até explicáveis, porém não justificáveis;
  • Mesmo conhecendo o poder de Deus Jonas se esconde no porão de um navio (lugar de solidão, lugar de escuridão, lugar de morte e de angustia, último lugar para estar, lugar de ratos);
  •  V. 10: ... “Que é isso que fizeste”?... Será essa a pergunta que as pessoas nos fazem. Será que ninguém acredita em nosso testemunho? Qual o nosso circulo de influência? Como está o meu testemunho?
  • Precisamos de tempo para cuidar de nós. Jonas teve tempo para aliviar sua alma, mas preferia dormir profundamente:
  •  Jonas era um homem frustrado. Viveu uma época muito ruim, sob um rei que fazia o que era mal diante do Senhor (2 Re 14.24). Era um tempo de extrema pobreza, o­nde não havia diferença entre escravo e livre, ou seja, a pobreza estava socializada.
  • Jonas se julgava melhor que os ninivitas. Era orgulhoso e preconceituoso:
*      A falta de perdão e o orgulho estavam destruindo a vida e o ministério de Jonas, mas Deus queria trabalhar na vida dele e vê-lo cumprindo sua missão.
  • Jonas perdera a vontade de viver. Estava estressado; oprimido; angustiado; deprimido. A desobediência à vontade de Deus nos faz perder a vontade e a razão de viver.
  • Precisamos cuidar dos problemas que afligem nossa emoção (I Tim 4.16).
  • Muitas são as razões e justificativas que podemos ter para irmos ficar no “porão”, mas o certo é que Deus não nos quer no porão. Deus nos quer no convés, lutando para sobreviver no mar da vida.
  • No v. 12 vemos que Jonas se predispõe a morrer. Ele diz: "tomai-me e lançai-me ao mar..." - a morte é a sua primeira opção. Sem perspectiva, ele desiste de tentar, de lutar, de crer.
  • Ele não tinha nenhum motivo para achar que Deus o resgataria quando os marujos finalmente o lançaram no mar. Todavia, Jonas estava disposto a pagar com a própria vida para que os marinheiros não morressem. Não vemos nisso as qualidades de coragem, humildade e amor, tipificando o Senhor Jesus?

Ø  Escola Bíblica Dinâmica (EBD) – II Semestre 2008
Ø  Tema do Semestre: Mergulho no Ser - Estudos no livro de Jonas
Ø  Igreja Batista Teosópolis. Gilvan Silva Santos, servo do Deus Altíssimo em espírito, alma e corpo (gilvansilva00@hotmail.com; 73 8848-3714; 9995-4551; 9191-0910)

Nenhum comentário:

Postar um comentário